A areia da praia e os riscos escondidos

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 17 de dezembro de 2015

Ir à praia e aproveitar o sol no verão é praticamente uma tradição. Nesses dias é normal passar muito tempo em contato com a areia da praia e com a água. Deve-se tomar cuidado, no entanto, com os riscos que esses locais podem apresentar.

A areia pode esconder diversos perigos à saúde como, parasitas, larvas, fungos e bactérias oriundas de animais e até por água contaminada. Por isso, a Dra. Marta Fragoso, infectologista do Hospital VITA em Curitiba, orienta que nunca se deve sentar diretamente na areia, utilizando sempre uma canga ou toalha. Outro cuidado é com cadeiras alugadas na praia, sempre utilize algum tecido para cobri-las, assim você evita o contato com algum resíduo de areia.

A médica ainda diz para manter a atenção na água próxima à faixa de areia escolhida, se a água estiver com aspecto sujo ou de contaminação, certamente a areia também estará, logo, não é seguro para caminhar descalço, nem deixar as crianças brincarem.

Na praia também deve-se ficar atento à exposição exagerada ao sol, manter sempre a hidratação e nunca deixar de usar o protetor solar.

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Especialistas dão dicas de saúde para festas de fim de ano

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 15 de dezembro de 2015

Nada mais justo que aproveitar a chegada do fim do ano e as confraternizações com familiares e amigos, afinal, é tempo de festas. Para não correr o risco de trocar a queima de fogos por um pronto-atendimento, especialistas do Hospital VITA recomendam, além de manter a saúde em dia, moderação. Culinária exuberante e bebida em excesso, associados ao clima brasileiro, onde os termômetros batem os 35 graus nesta época do ano, podem se tornar vilões e trazer problemas à saúde.

Para Rodrigo Fontan, cirurgião do aparelho digestivo e gerente médico do Hospital VITA Batel, o primeiro passo para ter um fim de ano tranquilo é estar com boa saúde. A recomendação é que pessoas com mais de 40 anos façam check-up regularmente. “Hoje, a medicina aposta todas as suas fichas na prevenção. A maioria das patologias, por mais graves que sejam, têm cura quando diagnosticadas precocemente. E isso pode evitar surpresas”, avalia.

2015.12

A segunda dica é ter cuidado com a alimentação. No verão, o calor favorece a proliferação de bactérias, o que exige maior cuidado com manuseio e preservação de alimentos. Problemas alimentares são comuns nesta época do ano e a gastroenterite aguda é a campeã em internações hospitalares. Causada por bactérias, vírus ou parasitas, a doença causa náuseas, vômitos e diarreia, acompanhados ou não de febre e dores no corpo.

Fontan alerta também para o consumo de álcool. Segundo ele, não é preciso abrir mão, basta não exagerar, já que o excesso pode causar muita dor de cabeça. “A melhor receita para as famosas ressacas é, sem dúvida, maneirar na ingestão de bebidas alcoólicas. Mas, caso tenha extrapolado, investir em uma boa hidratação (beber muita água) e um bom analgésico para dor de cabeça”, recomenda o especialista. “E, claro, se beber, não dirija!”, ressalta.

Alimentação x ​balança – A fartura de comidas e bebidas nas festas de fim ano também é o pesadelo de muitas pessoas que brigam com a balança durante os onze meses que antecedem dezembro. A chefe de Nutrição do Hospital VITA, Dirlene dos Santos ​destaca que o grande problema da comemoração é o exagero. “E​ste é vilão da saúde e do bem-estar. O ideal é saber escolher o que comer e, principalmente, o quanto comer”, ressalta.

N​ão é preciso se desesperar e ficar longe dos Panetones e outros doces que enfeitam as mesas nas festas​ de fim de ano​. Segundo a nutricionista, apesar de serem muito calóricos, não é necessário ​bani-los do cardápio. “É possível consumi-los, desde que seja moderadamente”, alerta. Além dos doces tradicionais, o consumo de carnes gordurosas também deve ser evitado. “O ideal é que optemos pelas mais magras, como lombo e chester”, recomenda.

E, quando se trata de bebidas, vale lembrar que as alcoólicas são bastante calóricas: um grama de álcool tem sete calorias. “Na hora de escolher, opte pelo vinho tinto seco, que possui potentes antioxidantes, que combatem os radicais livres, ou pelos sucos de fruta naturais, chás e água. Muito cuidado com coquetéis e licores, verdadeiras bombas calóricas”, ​alerta.

Voltando à realidade – Depois de um mês atípico de comilança, para fazer as pazes com o espelho e com a balança é importante retomar as práticas alimentares saudáveis logo no início do ano. De acordo com a nutricionista Dirlene dos Santos, o ideal é evitar o consumo excessivo de gorduras e carboidratos simples, como açúcar, doces, pão comum, batata e arroz branco, aumentar o consumo de frutas, hortaliças e cereais integrais, assim como dar preferência a carnes magras e laticínios desnatados, e muita água.

Dicas para uma ceia saudável:

  • Ao iniciar sua ceia, opte por uma salada bem colorida e, depois, prepare algum tipo de carne magra com algum acompanhamento como: legumes, arroz e farofa, de preferência elaborada com vegetais picadinhos;
  • Escolha carnes brancas sem pele (frango e peru). Dê preferência a carnes grelhadas, assadas ou cozidas;
  • Tempere as saladas com limão ou vinagre balsâmico; e azeite de Oliva.
  • Para a sobremesa evite as que possuem muito leite em sua composição, pois são mais calóricas. Dê preferência a frutas como damasco, ameixa, melão, pêssego e kiwi.
TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Dicas para evitar a ressaca

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 10 de dezembro de 2015

Com as festas de fim de ano, é normal o aumento do consumo de álcool e, consequentemente, a ressaca no outro dia. O excesso de álcool pode provocar aumento da sede, tontura, irritação no estômago, náusea, dilatação dos vasos sanguíneos, além de queda da taxa de açúcar no sangue, que pode levar a fraqueza e cansaço.Sober young handsome guy got headache and applying ice bag

Ainda não foi descoberta uma cura para a ressaca, porém algumas atitudes podem diminuir os sintomas.

Para evitar a ressaca:

  • Reveze entre a bebida alcoólica e água, para amenizar o efeito do álcool.
  • Evite beber de estômago vazio. Se alimentar antes dificulta a absorção do álcool, dando mais tempo ao corpo para que metabolize o que for consumido.

Para tratar os sintomas:

  • Muita água, antes e depois, a hidratação é fundamental para diminuir os efeitos das bebidas.
  • Comer alimentos ricos em:
    • Cisteína. Como por exemplo, ovos, brócolis, pimenta, cebolas e gérmen de trigo. Ela ajuda na eliminação do acetaldeído, toxina gerada pelo álcool.
    • Potássio. Bananas, batatas chips e suco de laranja são ricos nesse elemento. Ajudando o sistema nervoso e muscular.
    • As frutas têm esse tipo de açúcar que auxilia o processamento do álcool, diminuindo o cansaço.
    • Sódio. Esse elemento é fundamental para processos químicos no nosso organismo. Ele pode ser ingerido através de alimentos salgados ou isotônicos como água de coco.
  • Tomar café e aspirina diminui a dor de cabeça presente na ressaca.
  • Descansar
    • Quanto maior a quantidade de álcool consumida, mais tempo o corpo precisa para a eliminação total do álcool. Enquanto ele faz isso o ideal é descansar o corpo.
TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Afogamento: como evitar e que atitudes tomar

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 08 de dezembro de 2015

Nadar é relaxante e faz muito bem para a saúde. Mas como qualquer atividade física requer cuidados especiais. Na praia ou piscina, o afogamento é um risco a que estamos sujeitos e é preciso estar atento principalmente no verão.

Nia pequea en el borde de una piscina

Segundo o clínico médico do Hospital VITA, em Curitiba, Dr. João Luiz Carneiro, as principais medidas de prevenção, são:

  • Nunca deixe uma criança sozinha na piscina. 89% dos afogamentos ocorrempor falta de supervisão;
  • Ensine flutuação às crianças a partir dos dois anos de idade e natação, a partir dos quatro;
  • Não utilize boias ou flutuadores, prefira um colete salva-vidas;
  • Evite brinquedos próximos às piscinas, isto atrai as crianças;
  • Isole a piscina com grades de 1,5m de altura. Elas reduzem os índices de afogamento;
  • Respeite as placas de advertência na praia ou piscina;
  • Procure sempre a orientação do guarda-vidas sobre o local mais seguro para nadar;
  • Não entre na água com o mar muito agitado;
  • Não use objetos infláveis na praia, você poderá ser arrastado por uma corrente;
  • Não nade perto de pedras costeiras;
  • Ao pescar sobre pedras, observe antes se a onda pode alcançá-lo;
  • Afaste-se de animais marinhos, como águas-vivas e caravelas;
  • Nas áreas de correntes de retorno. Parece ser tranquilo por não quebrar ondas, mas podem levar você para o fundo. Caso isto ocorra, nade paralelamente à praia para sair delas;
  • Evite ficar na praia enquanto estiver chovendo;
  • Bebida alcoólica e praia não combinam;
  • Nunca tente salvar alguém se não tiver condições;
  • Não superestime sua capacidade natatória. 48% dos afogados acham que sabem nadar;
  • E tenha cuidado!

Mas e se acontecer, doutor, o que eu faço?

Em caso de afogamento Dr. Carneiro explica que antes de fazer um resgate deve-se estar sempre atento à sua segurança pessoal, diminuindo os riscos para si e para a vítima. Segundo ele é muito comum as pessoas que vão fazer um resgate, não estarem preparadas para nadar em águas mais profundas e na vontade de ajudar os outros acabam se afogando junto.

Assim que retirar a vítima da água, coloque ela de lado, aqueça-a e verifique se ela está respirando, caso não esteja deve-se prover imediatamente a ventilação ou oxigenação. Não se esqueça de ligar para o 192.

Para fazer a respiração boca a boca:

  • Deite o indivíduo de barriga para cima;
  • Desaperte as roupas apertadas da vítima;
  • Estique o pescoço do indivíduo para trás, deixando o queixo para cima;
  • Abra a boca da pessoa e observe se há algum objeto na sua garganta, retirando-o;
  • Tape o nariz da vítima com os dedos;
  • Encoste a boca na boca do indivíduo e jogue ar para fora, fazendo o peito elevar;
  • Repita durante 20 minutos ou até que a pessoa volte a respirar sozinha;
  • A vítima pode levar mais de meia hora para voltar a respirar sozinha e fazer a respiração boca a boca durante todo este tempo pode ser cansativo e, por isso, deve-se revezar com outra pessoa.
TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!