Movimente-se, isso faz bem para a saúde

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 17 de março de 2017

Estudos científicos revelam que o sedentarismo é uma ameaça isolada para problemas do coração, derrames e infarto. A ociosidade pode ser comparada a fatores de risco como tabagismo e diabetes. A prática regular de exercícios físicos combate e previne doenças coronarianas, pressão alta, acidente vascular encefálico (derrame), problemas vasculares, obesidade, diabetes mellitus tipo II, osteoporose, artrose e alguns tipos de câncer, como de cólon, mama, próstata e pulmão. Ajuda também a combater depressão e ansiedade, contribui para a perda e manutenção do peso e para a composição corporal adequada (diminui a massa gorda e aumenta a massa muscular), reduz o colesterol ruim e triglicerídeos, eleva o nível de colesterol bom, atua na manutenção da composição óssea adequada. Além disso, contribui para um sono adequado, funcionamento do intestino, aumenta a força muscular e os anos de vida, uma vez que contribui para o funcionamento pleno do coração, melhora o humor e o desempenho sexual.

Quem pode fazer exercícios? Não existe idade específica para realizar atividades físicas. Crianças, adultos e idosos devem fazer desde que sejam respeitadas suas características individuais, preferências, objetivos, doenças pré- existentes e condicionamento inicial. Não existe uma regra específica, mas devemos entender que na infância deve ser respeitada a natureza da criança e as atividades devem dar valor ao brincar e às relações sociais, desenvolvendo capacidades físicas básicas (força, coordenação e agilidade).

Como definir as atividades que a pessoa pode praticar? Os exercícios devem ser planejados de acordo com os objetivos do indivíduo (melhorar o condicionamento, aumentar a massa muscular, diminuir o peso…), atender suas preferências pessoas, ou seja, deve fazer o que gosta e o que lhe proporciona bem-estar. É necessário também atender o condicionamento inicial e o estado de saúde atual e o que é permitido fazer. Além disso, deve-se levar em conta e adequar o exercício à disponibilidade de tempo.

Quais atividades devem ser realizadas e com que frequência podem ser praticadas? O indicado é realizar exercícios aeróbicos (andar, correr, pedalar e nadar) três vezes ou todos os dias da semana, associados a atividades de resistência muscular localizada (ginástica localizada, musculação, pilates) de duas a três vezes por semana. Indica-se também uma vida diária ativa, usar a escada e não o elevador, passear com animal de estimação, fazer jardinagem, dançar e realizar pequenas caminhadas para resolver algo próximo ao trabalho ou de casa.

 

Não esqueça, antes de iniciar uma atividade física deve-se realizar uma avaliação médica e manter acompanhamento de profissional da área.

 

Dra. Alana Claudia Murillo Santos, médica do esporte

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Mulher, dê mais atenção à sua saúde

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 10 de março de 2017

 

As doenças cardíacas são as que mais acometem as mulheres. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que além dos problemas do coração, a população feminina é acometida também por infecções respiratórias, como pneumonia e bronquite; e pela doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Já o câncer de mama, que geralmente é citado como o maior vilão da saúde delas, ocupa o 10º lugar na lista das doenças da mulher, ficando atrás de problemas como diabetes, hipertensão e complicações por parto prematuro.

As mulheres têm o hábito de buscar informações sobre as doenças que as atingem diretamente, como o câncer de mama, útero e ovário e acabam se preocupando menos com as doenças cardiovasculares, osteoporose, disfunção tireoidiana, entre outras, e essas acabam ganhando cada vez mais espaço.

Atualmente, no Brasil, morrem mais mulheres acima dos 50 anos de infarto do miocárdio do que de todos os cânceres combinados que atingem o aparelho reprodutor feminino. A saúde cardiovascular da mulher, se comparada com a do homem, apresenta fatores de risco menos controlados e valorizados. Quando sentem uma dor no peito, pensam que não é nada e que logo passará. Já o homem associa a um infarto e busca um médico. Por isso, recomenda-se uma avaliação cardiológica ao menos uma vez ao ano, principalmente após os 40 anos.

Medidas preventivas e diagnóstico precoce são os melhores aliados no tratamento, sem contar que reduzem consideravelmente a mortalidade, antes mesmo que alguns sintomas apareçam e tragam sequelas irreversíveis. Hábitos que são saudáveis, como tabagismo, sedentarismo e alimentação inadequada, estresse e hipertensão arterial contribuem para as estatísticas alarmantes sobre a saúde da mulher no Brasil.

Cinco dicas para a saúde da mulher:

1).Dedique um tempo para você: Reserve parte do
dia para fazer o que gosta. Busque práticas de autoconhecimento, como a meditação.

2) Opte por um estilo de vida saudável: Alimente-se bem e evite ingerir comidas gordurosas e álcool. Pratique atividade física e não fume.

3) Durma bem: Recomenda-se dormir entre sete a oito horas diariamente. Horas a mais ou a menos podem afetar a memória, o aprendizado, a criatividade, a produtividade e a estabilidade emocional.

4) Dê atenção às doenças cardiovasculares: Problemas relacionados a infarto e doença isquêmica estão entre as principais causas de óbito das mulheres.

5) Crie o hábito de fazer avaliações periódicas de saúde: Tenha um médico que acompanhe sua saúde ao longo da vida. Após os 50 anos os exames preventivos passam a ser necessários de forma mais frequente. Além das doenças cardiológicas, é necessário também monitorar a saúde ginecológica, óssea, neurológica, entre outras.

 

Check-up feminino anual e a lista de exames que deve ser seguida:

A partir da primeira menstruação: Seios para detecção de nódulos mamários e prevenção do câncer, Papanicolaou – coleta de material do colo uterino e exame físico anual da pélvis para diagnóstico precoce de câncer de colo do útero e outras doenças ginecológicas e exame de sangue para diagnóstico de doenças como diabetes, hipertensão e da tireoide.

A partir dos 30 anos: Ultrassonografia pélvica e transvaginal, que avalia ovários e úteros, teste ergométrico, mamografia, Papanicolaou, colonoscopia, testes oculares, análises sanguíneas e densitometria óssea para detecção de osteoporose.

A partir dos 40* anos: Densitometria óssea, ultrassonografia pélvica e transvaginal, avaliação cardiológica – eletrocardiograma e controle da pressão arterial, vacinação: tríplice viral e dupla adulto.

*A partir dos 40 anos a periodicidade de avaliação pode ser alterada de acordo com os resultados de exames ou a critério do médico.

A partir dos 50 anos: Colonoscopia para avaliação intestinal, olhos – exames de fundo de olho para detecção de problemas oculares.

 

Equipe Hospital VITA

 

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Jejum intermitente

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 03 de março de 2017

O jejum tem sido praticado pela humanidade desde os tempos antigos, principalmente por causas religiosas, como durante o Ramadan para os muçulmanos ou na quaresma para os cristãos.  Recentemente, o interesse sobre a abstinência de alimentos tem se mostrado muito evidente devido a diversas publicações leigas e científicas discutindo esse tema controverso. Livros e internet, principalmente em blogs de modelos e atrizes famosas, têm propagado várias formas de jejum, com intervalos variáveis de restrição de alimentos e bebidas calóricas. Uma delas é o  jejum intermitente (JI), que é considerado uma estratégia promissora para a perda de peso de forma rápida, melhora de problemas de saúde como diabetes, doenças cardiovasculares, inflamações e câncer, além de retardar o envelhecimento. Porém, é válido destacar que evidências científicas sobre esses benefícios à saúde trazidos pelo JI são geralmente extraídas de pesquisas realizadas em animais ou derivados de estudos em humanos com número de participantes e duração muito limitada.

Os esquemas de duração e frequência do jejum variam bastante podendo ser de dias seguidos, alternados ou de períodos de 12 a 20 horas, seguidos por alimentação livre (em composição e quantidade) ou limitadas.

Pesquisas realizadas em animais demonstram diminuição do risco de obesidade e de condições relacionadas a ela como esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), diabetes e câncer, mas essas evidências não são tão significativas em humanos.  A maioria dos estudos realizados em pessoas resulta em perda de peso significativa, mas nem sempre superiores à obtida em outros tipos de dietas com restrição de calorias. Alguns evidenciaram redução dos níveis de glicose, insulina e de fatores inflamatórios, porém sem conseguir correlacionar esses resultados a menor incidência de diabetes, problema cardiovascular ou câncer.

Aparentemente programas de JI que promovem uma abstinência de alimentos mais prolongada no período noturno podem levar a melhora da saúde em humanos. Dentre os esquemas, este é o mais simples, factível e potencialmente efetivo na prevenção de doenças em nível populacional. Entretanto, estudos com um maior número de participantes e com maior duração são necessários para comprovar esses efeitos.

É necessário lembrar que a abordagem de tratamento da obesidade precisa ser sempre individualizada de acordo com as necessidades e características de cada paciente, devendo ser orientada pela equipe de saúde que o acompanha.

 

Dra. Hevelyn Garcia, endocrinologista – Centro VITA de Tratamento da Obesidade e Diabetes

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Carnaval: diversão sem colocar a saúde em risco

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 24 de fevereiro de 2017

A alegria do carnaval não pode ser interrompida por doenças, desconfortos e problemas de saúde, por isso, a prevenção é o melhor caminho.

Doenças sexualmente transmissíveis (DST’s), como sífilis, aids, hepatite B, gonorreia, herpes genital/oral e gravidez indesejada são alguns dos riscos que os foliões estão expostos durante os quatro dias de festa. A boa notícia é que tem como evitar essas complicações com o uso de preservativos.

Outro cuidado a ser tomado é quanto à mononucleose infecciosa, ou “doença do beijo”. A enfermidade é pouco divulgada e tende a ocorrer em homens e mulheres, na faixa etária de 15 a 25 anos, que, muitas vezes, nem sabem que estão contaminados. Os sintomas são semelhantes aos da gripe, mas a mononucleose se diferencia pelo aumento significativo dos gânglios e do baço, já que o vírus tende a aumentá-los. Estima-se que 80% dos adultos já tiveram contato com o vírus.

Se a ideia é acompanhar os blocos de rua, ou mesmo, os bailes de Carnaval, é preciso dar atenção especial aos pés. Escolha um calçado confortável, já que é comum que o esforço prolongado provoque lesões nos tendões, tornozelo e joelho, inflamações e câimbras na região, além de irradiar dores na coluna, causadas pela falta de condicionamento físico e por calçados inadequados. Alongar braços, pernas e coluna, antes e depois de cair no samba faz toda a diferença.

Além disso, folião que é folião não esquece de manter o corpo hidratado, isso é essencial para a saúde. Esta é a estação mais quente do ano, então é preciso ingerir muita água, principalmente para quem consumir bebidas alcoólicas. Em vez de hidratar, elas estimulam o organismo a expulsar a água do corpo pela urina, já que o álcool tem função diurética. A água participa de vários processos metabólicos, como a manutenção da temperatura do corpo, funcionamento dos rins e intestinos, por isso não pode ser negligenciada.

A alimentação também é um ponto importante. É por meio dela que se obtém energia para aproveitar a festa. A orientação é tomar um bom café da manhã, com leite, suco de frutas e sanduíche, almoço simples composto, por exemplo, por arroz, salada e carne grelhada, e fechar o dia com um jantar leve. Lembrar que o ideal é se alimentar de três em três horas. Durante a festa, a opção é apostar em um lanche rápido ou uma fruta. Para aguentar o gasto energético, é recomendada a ingestão de carboidratos. Uma boa opção são as barras de cereais, pois além de práticas, são saborosas e possuem carboidratos e fibras. E não esqueça: ao se alimentar fora de casa observe as condições de higiene do local e se os produtos estão sob refrigeração. Depois de tomar estes cuidados, aproveite a festa e divirta-se!

 

Dra. Marta Fragoso, infectologista 

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!