Um amigo do coração

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 08 de agosto de 2017

O ômega 3 pertence à família das chamadas gorduras insaturadas, que oferecem alguns benefícios e também malefícios ao organismo. Dentre essas substâncias, estão as mais conhecidas nos reinos animal e vegetal e também as mais estudadas: ômega 3 e ômega 6. O ômega 3 é um tipo de gordura benéfica que nós não conseguimos  produzir no organismo. Por isso, necessita ser ingerida. É um anti-inflamatório potente que protege os vasos.

De maneira geral ingerimos mais gorduras ômega 6 do que ômega 3, e isso é o ideal mesmo. Porém, chegamos a um estágio de evolução e concentração de gordura na nossa alimentação, em que estamos consumindo, principalmente no mundo ocidental, uma quantidade muito maior de ômega 6.

O ômega 3 está presente nos alimentos benéficos à saúde, de origem animal ou vegetal, como peixes, algumas algas marinhas, abacate, nozes, linhaça, óleo de coco e azeite de oliva. No entanto, devido a maus hábitos alimentares, temos dificuldade de manter a quantidade de ômega 3 proporcional à consumida de ômega 6, já que sua ingestão é mais difícil. Por exemplo, na alimentação ocidental tradicional comemos 30 vezes mais ômega 6 do que ômega 3, quando na verdade isso não deve passar de quatro a sete vezes.

Benefícios à saúde: embora não seja o salvador da pátria, o ômega 3 favorece pessoas portadoras de doenças cardiovasculares, pois a substância diminuiu o risco de infarto e a mortalidade cardíaca, mas não necessariamente diminuiu o óbito global.

Ele regula a atividade das plaquetas sanguíneas, evitando coágulos de sangue, que podem levar a um AVC ou infarto. Além disso, reduz os níveis de triglicerídeos, um tipo de gordura que é ruim para o organismo quando está elevada, e evita arritmias cardíacas, estabilizando a atividade elétrica no coração.

Vale lembrar que a suplementação não é necessária, já que por meio de uma dieta saudável conseguimos ingerir a substância sem que seja preciso tomar cápsulas.

Atenção! O peixe deve ser consumido assado, grelhado, cozido ou cru (desde que tenha boa procedência) e não frito.

 

Dr. Fernando Kubrusly, cirurgião cardíaco

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Café: quantas xícaras por dia?

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 28 de julho de 2017

Afinal, tomar café faz bem à saúde? Tem uma quantidade máxima que pode ser ingerida por dia? Essas são algumas dúvidas que os amantes da bebida têm. O café traz vários benefícios à saúde. Do ponto de vista metabólico, neurológico e emocional. Além disso, tem função imunológica, isto é, melhora a resposta a infecções. Ou seja, há uma infinidade de benefícios que a bebida pode trazer a pessoa.

A cafeína, substância presente no café, por ser estimulante, melhora a memória, a disposição, a capacidade de trabalho e a atividade física. É muito comum, por exemplo, atletas, principalmente aqueles que realizam atividades de longa duração, como maratonas, tomar café, por causa da cafeína, antes ou até durante a prova – isso estimula também a força muscular.

Café x insônia – Por ser um estimulante, a bebida está associada à perda de sono. Sua ingestão resulta em dificuldade para pegar no sono e/ou ter uma noite de sono agitado por conta do líquido. Por isso, é recomentado que a pessoa tome café durante o dia, até um horário da tarde que não prejudique o descanso noturno. Porque se o indivíduo tomar café, principalmente se for uma quantidade maior à noite, provavelmente, não vai dormir bem. Não que seja proibido ingerir à noite, mas deve-se evitar ou beber uma quantidade reduzida. Já durante o dia, pode tomar à vontade.

Tudo em excesso faz mal, e com o café não é diferente, o indicado é tomar de 300 a 400 ml ao dia, o que equivale a três ou quatro xícaras de café coado. Já o expresso, por ser mais concentrado, o ideal é reduzir a dose pela metade.

Problemas cardíacos – A presença da cafeína pode provocar taquicardia, palpitação e arritmias (alterações elétricas que provocam modificações no ritmo das batidas do coração) em pessoas que tem problemas no coração. Para evitar esses sintomas, deve-se ingerir uma quantidade reduzida de café.

Na gravidez – Para as gestantes é recomendado ingerir menos café, porque a cafeína consegue passar livremente pela placenta e pode chegar ao bebê. O que pode fazer  com que nasça com um peso um pouco menor ou, então, a gestante pode entrar em trabalho de parto prematuro, fazendo com que a criança nasça um pouco antes da época. Não se proíbe a ingestão, mas não se deve ultrapassar a quantidade de duas xícaras por dia.

Crianças – Não se recomenda a ingestão de café para as crianças, principalmente por se tratar de uma bebida estimulante.

 

Dr. João Luiz Carneiro, clínico geral

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Por que bocejamos?

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 21 de julho de 2017

Eu bocejo, tu bocejas, ele boceja… Isso é o que acontece quando alguém boceja perto de nós. A vontade vem quando você menos espera, deixa a pessoa mais alerta e faz com que os indivíduos que estão à sua volta sejam contagiados e sintam a necessidade de fazer o mesmo.

Mas por que sentimos vontade de bocejar quando alguém boceja perto de nós? A ação é causada pelos neurônios-espelhos. Todos os atos do cotidiano que presenciamos, esses neurônios copiam. Algo parecido acontece com o riso, que também pode ser contagiante, mas neste caso vai depender de outros fatores relacionados com a emoção, como o humor. Algumas teorias afirmam ainda que o bocejo poderia ser uma forma primitiva de comunicação. Um recurso que nossos ancestrais utilizavam para falar a outro indivíduo sobre a necessidade de manter a atenção em uma mudança no ambiente. Ao bocejar, o receptor estaria confirmando o recebimento da mensagem.

Um fato curioso observado por pesquisadores é que a proximidade que temos com alguém determina a probabilidade de sermos contagiados pelo bocejo desta outra pessoa. Isto é, se um familiar bocejar, é mais provável que o parente seja contagiado pelo bocejo do que um amigo ou conhecido.

Mas afinal, por que bocejamos? O ato inconsciente e espontâneo pode ser um sinal de sonolência e tem como objetivo liberar a dormência. Outros fatores, como o tédio, a tensão e até a agitação, podem fazer também com que as pessoas tenham a necessidade de alongar a mandíbula e inspirar uma grande quantidade de ar. Existe a possibilidade de estar ainda relacionado a alterações de substâncias que o organismo libera na nossa corrente sanguínea, como a acetilcolina e a dopamina. A acetilcolina é um neurotransmissor ligado à aprendizagem e à memória e a dopamina tem um papel estimulante. Por isso, boceja-se em situações diferentes daquelas em que estamos apenas com sono.

O bocejo pode ser descrito como um estímulo para a alteração do estado psicológico, fornecendo mais atenção ao cérebro. Então, sempre que há mudanças no estado mental, seja do estar dormindo para o acordar ou do estar ansioso para o estar calmo, o bocejo pode acontecer.

 

 

Dra. Ester London, neurologista e responsável pelo Laboratório do Sono do Hospital VITA Batel

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Você cuida da saúde dos seus olhos?

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 14 de julho de 2017

“Os olhos são os espelhos da alma”. A frase é de origem desconhecida, mas sabemos que os olhos também necessitam de atenção. Olho seco, conjuntivites, catarata, erros de refração – como miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia, que direcionam a luz para focá-la na retina – são alguns dos principais problemas que afetam as pessoas. Por isso, para manter a saúde ocular e evitar problemas na vista devemos tomar algumas precauções para proteger nossos olhos.

Visão borrada – Muitas pessoas costumam passar horas em frente ao computador, seja no trabalho ou em casa. Após esse período, surge a sensação de ardência nos olhos ou de visão borrada. Essa condição é tão comum que surgiu uma expressão médica a fim de descrever os problemas de visão relacionados ao uso prolongado de computadores, celulares e tablets: “cansaço digital dos olhos“ ou ”síndrome do olho seco”. Para quem fica durante muito tempo realizando atividades em frente ao monitor do computador ou com o smartphone, a dica é para que, de uma em uma hora, descanse a vista em torno de 5 a 10 minutos.

Perda ou visão dupla e borrada – Qualquer alteração na visão é um sinal de alerta que requer atenção imediata. Se perceber que está com visão dupla, borrada ou se perder a visão, procure um médico com urgência, pois esses podem ser os primeiros sintomas de um acidente vascular cerebral (AVC).

Alimentação – Fala-se muito sobre o papel dos antioxidantes na prevenção do envelhecimento celular e do corpo. Essas substâncias são responsáveis por diminuir o acúmulo de metabólitos, que são restos ou subprodutos da respiração celular e que são cumulativos, fazendo com que após alguns anos surjam lesões que podem afetar a visão. Daí a importância de ter uma alimentação saudável e rica em antioxidantes, isso pode prevenir ou adiar o aparecimento de tais lesões como, por exemplo, ocorre na degeneração macular relacionada à idade (DMRI), que traz transtornos aos seus portadores. Além disso, deve-se ingerir ômega 3, ácido graxo essencial e que não é produzido pelo nosso corpo. Ele tem um papel importante para a manutenção dos mecanismos de lubrificação dos olhos, além de outros órgãos do corpo. Pode-se consumir via dieta (salmão, peixes de água fria) ou suplemento/capsulas (1g ao dia).

Lentes de Contato – A opção está mais acessível e, por isso, um grande número de usuários não tem a noção exata da sua correta adaptação. Para evitar complicações é importante seguir as dicas do oftalmologista para os devidos cuidados que devem ser tomados, como: o tempo correto do descarte, a maneira de higienizar, o nível de transmissão de ar para o globo ocular, o acerto na escolha da curvatura, as condições dos olhos que as receberão etc. Doenças e infecções causadas pelo uso errado de lentes de contato podem ser evitadas quanto sob acompanhamento de um profissional.

 

Sete dicas para manter a saúde ocular:

  1. Durma bem – O sono influencia no cansaço do corpo e dos olhos. Dormir mal ou poucas horas pode causar vermelhidão ocular, vista cansada e inchaços.
  2. Evite o consumo de bebidas alcóolicas – Apesar das bebidas alcoólicas serem metabolizadas pelo fígado, elas produzem resíduos tóxicos, o que favorece o envelhecimento precoce das células oculares. Além disso, o álcool causa desidratação, afetando também os olhos.
  3. Tenha uma dieta equilibrada – Hábitos alimentares saudáveis influenciam todo o organismo, inclusive os olhos. Indica-se ingerir vegetais verdes escuros pois fornecem vitaminas benéficas para a retina.
  4. Use óculos de sol – Óculos com proteção ultravioleta (UV) devem ser utilizados sempre, já que a luz UV é prejudicial às células da retina e causam o envelhecimento precoce delas. Além disso, a incidência dos raios UV nos olhos podem provocar catarata precoce e o desenvolvimento de doenças degenerativas da retina. Lâmpadas fluorescentes também liberam tais raios, o escurecimento de aparelhos expostos continuamente a tais lâmpadas é uma prova. As lentes dos óculos precisam ter boa qualidade para que possam filtrar os raios e o uso de filtros já é também largamente utilizado nas lentes de contato de boa qualidade e até mesmo nas lentes intraoculares implantadas na cirurgia da catarata.
  5. Tempo seco – A baixa umidade do ar é responsável por causar irritação, ardência e vermelhidão nos olhos devido à evaporação da lágrima. Deve-se evitar o uso de ventilador e ar-condicionado, pois ressecam ainda mais os olhos. Quando isso ocorrer, indica-se utilizar colírios lubrificantes, conhecidos como “lágrimas artificias”.
  6. Óculos de grau – Os óculos de grau devem ser usados corretamente, para evitar problemas oculares e incômodos, como dores de cabeça e cansaço das vistas.
  7. Vá ao oftalmologista anualmente – Indica-se consultar, pelo menos, uma vez ao ano com um especialista. O oftalmologista avaliará a qualidade da visão e as condições oculares, além de atualizar o grau dos óculos, se necessário. Exames para analisar a pressão intraocular e a retina devem ser feitos periodicamente. É importante realizar exames preventivos, inclusive em crianças.

Dr. Roberto Veleda Bermudez, oftalmologista

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!