Fechamento precoce de ossos cranianos de recém-nascidos pode influenciar desenvolvimento da criança

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 30 de novembro de 2018

(Imagem Pixabay)

A cranioestenose ou craniosinostose é o fechamento precoce de uma ou mais suturas   cranianas – articulações entre os ossos que compõe a caixa craniana e que facilitam a passagem da criança no canal do parto quando do nascimento. A principal característica  da craniosinostose é a deformidade da cabeça do recém-nascido.

A causa pode ter origem  devido a mutações genéticas  ou pode estar relacionada a alterações ocorridas durante a gestação. Uma forma específica de deformidade  é a chamada plagiocefalia posicional  que pode ter como causa  um  posicionamento anormal dentro do útero levando a compressão do crânio do bebê. Outro fator de deformidade é o posicionamento constante da cabeça da criança em uma única posição, seja ao dormir ou ao uso do bebê conforto.

As craniosinostoses têm uma incidência de um a cada 2.500  nascimentos e não são passíveis de prevenção.

diagnóstico é suspeitado pelo pediatra quando ocorre deformidade da cabeça do recém-nascido e que tende a piorar com o tempo. Quando existem  suspeitas do bebê ser portador de uma craniosinostose, optamos pela realização de uma tomografia em três dimensões. Tais exames nos auxiliam sobremaneira no tratamento. Na atualidade se procura evitar o uso do raio x, o qual acarreta uma dose maior de radiação para a criança e deve ser evitado. Existem formas de craniosinostose que se associam a uma variedade extensa de malformações no corpo e na cabeça do bebê. São as craniosinostoses sindrômicas, formas mais graves e complexas da doença.

Ao contrário do que se pensa, a craniosinostose não causa problemas mentais. A ocorrência de alterações cognitivas e psicológicas não são infrequentes. De maneira geral, o tratamento da craniosinostose  não sindrômica  é instituído até o oitavo mês de vida. Todas as craniosinostoses são passíveis de tratamento cirúrgico,  exceto a  plagiocefalia posicional, a qual  muito raramente é operada. As técnicas cirúrgicas variam com a deformidade craniana específica apresentada pelo bebê.

Os resultados cirúrgicos estão também diretamente ligados à experiência do cirurgião e sua equipe. A importância  de equipes bem treinadas,  experientes e hospitais especializados em neurocirurgia pediátrica  são fatores determinantes  para o sucesso do tratamento. Alguns  procedimentos cirúrgicos podem envolver o tratamento de várias suturas cranianas,  consumindo assim um tempo  bastante prolongado. A perfeita compreensão do planejamento cirúrgico, os resultados esperados e o tempo de recuperação,   assim como os possíveis riscos e complicações devem ser amplamente discutidos com  o cirurgião e a família. Algumas crianças que não são submetidas ao tratamento podem vir a desenvolver alterações na visão e eventualmente problemas de desenvolvimento intelectual. Outras  crianças,   não operadas,  sofrem problemas de ordem psicológica dada a deformidade craniana.

 

Dr. Silvio Machado, neurocirurgião pediátrico

TAGS:

COMENTÁRIOS: