Carnaval: aproveite a festa sem descuidar da saúde

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 09 de Fevereiro de 2018

O carnaval é considerado a maior festa popular do Brasil, o momento de descontração acaba levando algumas pessoas a extravagâncias e excessos. Por isso, é preciso ter alguns cuidados para manter a saúde e evitar a transmissão de doenças neste período.

A prevenção é a melhor maneira para ter um carnaval tranquilo. Proteger-se nas relações sexuais é essencial. São várias as DSTs (Aids, hepatites, herpes, sífilis, gonorreia), além da gravidez indesejada. Portanto, sexo somente com proteção e atenção também ao risco de contrair a mononucleose infecciosa, ou “doença do beijo”, uma das que mais acomete os foliões.

A “doença do beijo” tem foco em homens e mulheres de 15 a 25 anos que, muitas vezes, nem sabem que estão contaminados. Os sintomas são semelhantes aos da gripe, mas a mononucleose pode ser diferenciada pelo aumento significativo dos gânglios e do baço, já que o vírus tende a aumentar os gânglios e o baço. Estima-se que 80% dos adultos já estiveram em contato com o vírus.

 

Dra. Marta Fragoso, infectologista 

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Carnaval: sua pele merece cuidados especiais

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 02 de Fevereiro de 2018

Higiene, alimentação, hidratação e proteção devem ser prioridades inclusive durante o período do carnaval. Nesta época do ano as pessoas se expõem mais ao sol e intensificam os riscos de lesões, manchas e alergias, além de aumentar a probabilidade de câncer de pele. Por isso, é preciso manter alguns cuidados:

Higiene

É importante para a saúde da pele mantê-la limpa. O acúmulo de poluentes e oleosidade leva a oclusão dos poros e favorece o aparecimento de cravos e espinhas, além de contribuir para o envelhecimento da pele. O produto ideal deve ser escolhido de acordo com o tipo da pele.

No verão, devido ao calor, aumenta a oleosidade da pele, o que exige uma higienização mais frequente. Além disso, é preciso cuidar também com a temperatura da água, que deve ser fria ou morna.

Hidratação

A hidratação mantém a integridade da camada da pele que protege contra as agressões do meio externo. O produto deve ser escolhido de acordo com o tipo de pele e a região em que será aplicado. A ingestão de água também é importante para uma pele bem hidratada. Nesta época do ano deve-se redobrar esse cuidado: usar um bom hidratante diário e aumentar a ingestão de líquidos, principalmente água, suco de frutas e água de coco.

Alimentação

Alguns alimentos podem ajudar na prevenção dos danos que o sol provoca na pele. A dica é ingerir alimentos ricos em caroteno, com ação antioxidante. A  substância é encontrada em frutas e legumes de cor alaranjada ou vermelha, como cenoura e abóbora.

Fotoproteção

O uso de filtro solar diário é importante durante o ano todo, mas no verão é o momento de intensificar o seu uso, já que a radiação ultravioleta incide com maior intensidade aumentando o risco de queimaduras, manchas e até mesmo câncer de pele. O produto precisa proteger contra raios UVA e UVB e deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição solar e reaplicado de duas em duas horas, ou após entrar na água ou transpirar em excesso. Além disso, deve- se evitar a exposição solar no horário das 10 às  16h.

Roupas e acessórios

Além do filtro solar, o uso de chapéus, óculos de sol e roupas apropriadas com fotoproteção ajudam na prevenção de dano solar.

Frutas cítricas

Limão, laranja e outros alimentos cítricos são responsáveis por causar manchas e até queimaduras. Por isso, ao manusear essas frutas é necessário cuidar para que o suco não respingue na pele. Caso isso ocorra, deve-se lavar bem a área e passar filtro solar.

 

Dra. Alessandra Zeve de Lima, dermatologista 

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Acidentes com crianças: 90% dos casos podem ser evitados

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 26 de Janeiro de 2018

O período das férias escolares está chegando ao fim, mas os cuidados com as crianças para evitar acidentes não encerram. Dados apontam que 90% das lesões ocorridas podem ser evitadas se houver prevenção e se os pais atentarem para os locais que oferecem mais riscos e seguirem algumas dicas:

Afogamento

Podem ocorrer até em 2,5cm de água, por isso os baldes, vasos sanitários e banheira são perigosos. Instale cercas de isolamento em todos os lados da piscina, com no mínimo 1,5m de altura. No caso de piscina infantil, deve ser esvaziada imediatamente após o uso.

Bicicleta, skate e patins

Ao andar de bicicleta, skate ou patins, um dos maiores perigos é a lesão na cabeça, que pode levar à morte ou deixar sequelas permanentes. A maneira mais efetiva de reduzir essas lesões é usar o capacete. Esta medida de segurança pode reduzir o risco, incluindo a possibilidade de traumatismo craniano em até 85%.

Os jovens devem também usar sapatos fechados, evitar cadarços folgados ou soltos e brincar em locais seguros, como parques, ciclovias e praças, fora do fluxo de carros e longe de piscinas.

Parquinhos

As lesões mais graves resultam de quedas. O risco é quatro vezes maior se a criança cair de um brinquedo mais alto que 1,5m. Verifique se os equipamentos são apropriados para a idade dela e fique atento aos perigos como ferrugem, pregos expostos, superfícies instáveis ou quebradas.

Rua

Ensine a criança a parar na calçada ou no canto da rua e olhar para os dois lados antes de atravessar. Crianças com menos de 10 anos não devem atravessar a rua sozinhas, e quando acompanhadas de um adulto, devem ser seguradas pelo punho.

Andador

Responsável por mais acidentes que qualquer outro produto infantil destinado a crianças entre 5 e 15 meses. A maior parte das lesões resulta de quedas em escadas ou simplesmente por tropeços quando estão no andador. Algumas características físicas podem favorecer as quedas, como o tamanho e o peso da cabeça em relação ao corpo, que facilitam o desequilíbrio. A Sociedade Brasileira de Pediatria e a Academia Americana de Pediatria não recomendam o uso de andadores.

Asfixia

Ocorre, normalmente, por objetos. Por isso, é preciso evitar deixar objetivos pequenos no chão e tomar cuidado com fios e cordas ao alcance de crianças.

Intoxicações

Deve-se deixar medicamentos, produtos de limpeza e venenos trancados e fora do alcance de crianças. Além disso, recomenda-se manter esses produtos devidamente rotulados e em suas embalagens originais.

Alergia

Quando houver crianças com problemas alérgicos na residência, a recomendação é evitar ter flores, plantas, animais de estimação e outros possíveis causadores de reações alérgicas. Em caso de alergia, deve-se encaminhar a criança o mais rápido possível ao pronto-socorro e realizar o tratamento adequado seguindo apenas orientações médicas.

Queimaduras

Para evitar acidentes na cozinha, deve-se colocar protetores ao redor de objetos quentes, usar luvas antitérmicas para manusear utensílios e evitar que cabos de panelas e frigideiras projetem-se fora do fogão. Em relação às crianças, deixe-as longe da cozinha, do fogão e do ferro de passar roupas.

Choques elétricos

Deve-se colocar protetores nas tomadas para evitar acidentes com as crianças.

 

Dra. Lygia Coimbra de Manuel Petrini, pediatra e coordenadora da UTI Pediátrica do Hospital VITA Curitiba 

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!

Buscar atendimento médico emergencial pode evitar 50% das mortes por infarto

Hospital VITA
Postado por Hospital VITA - 19 de Janeiro de 2018

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que anualmente cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem vítimas de doenças cardiovasculares no mundo. No Brasil, a média anual chega a 350 mil, o que corresponde a um óbito a cada 40 segundos – duas vezes mais que todas as mortes decorrentes de câncer no país.

Infarto e demais doenças cardiovasculares, assim como, outros problemas de saúde podem ser evitados com a realização de check-up anual. É fundamental que a partir dos 40 anos as pessoas tenham o hábito de consultar regularmente um médico e fazer exames para checar a saúde ao menos uma vez ao ano. Após os 40 anos, homens e mulheres estão mais suscetíveis às doenças do coração e ao infarto. Além disso, há alguns fatores de risco que estão associados ao problema, como hipertensão arterial, colesterol elevado e tabagismo.

Sintomas do infarto

Geralmente, a dor cardíaca está centrada da parte torácica e em alguns casos pode ser desencadeada a partir de atividades físicas. O caráter da dor é mais opressivo, é como um aperto, pacientes relatam que a sensação é a de como se tivesse um peso sobre o peito. Os sintomas do infarto são múltiplos, pode ocorrer dificuldade de respiração, sudorese (suor excessivo), náuseas e vômitos.

A dor permanece, em média, durante 20 minutos, podendo cessar e voltar. Em alguns casos, pode continuar por mais tempo, até 40 minutos”, explica o médico. Quanto à intensidade, segundo ele, pode ser de moderada a alta. “Em pacientes diabéticos e idosos, pode se apresentar de forma mascarada, isto é, não haver qualquer dor no peito, ocorrer apenas um incômodo, semelhante a uma indigestão”, ressalta.

Ao sentir dor ou algum desconforto, a pessoa deve ir imediatamente ao hospital, 50% das pessoas que morrem por infarto é porque não tiveram atendimento médico, muitas vezes por não dar importância à dor e achar que não é nada grave e que não há necessidade de buscar auxílio médico.

Dicas de prevenção:

– Controlar a pressão arterial;

– Monitorar os níveis de açúcar para que estes não fiquem elevados;

– Dieta saudável;

– Praticar atividade física regularmente;

– Evitar o tabagismo.

 

Dr. José Eduardo Marquesini, cardiologista e chefe do serviço de cardiologia do Hospital VITA, em Curitiba

TAGS:

COMENTÁRIOS:

Clique para comentar!